Portugal, Portugal

 
 
 
 
pelas estradas aos saltinhos
 
com bermas inacabadas
 
pequenas casinhas convivem
 
com casas majestuosas
 
onde a pobreza e a riqueza se tocam
 
onde o egoismo nao deixa de existir
 
la vao eles as romarias
 
para esquecer as dificuldades do dia a dia
 
sofrem as escondidas
 
sempre alegres ao exterior
 
sempre a mesa cheia para acolher
 
o estrangeiro
 
Aie, Portugal, Portugal
 
quando vais acordar
 
destes homens sem coraçao
 
que te  estao deixando morrer
 
helena
 
 

Sobre Lena

Tenho muitas paixoes, mas a principal é viver
Esta entrada foi publicada em Poesia. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s